Veja quais foram os 10 maiores apagões da Internet em quase 10 anos

Sites de veículos de imprensa pelo mundo saíram do ar na semana passada

Da CNN em Espanhol
13 de junho de 2021 às 22:02 | Atualizado 13 de junho de 2021 às 22:06
Facebook
Foto: Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images

Sites de veículos de imprensa, de governo, e de outros serviços de web ficaram fora do ar na semana passada em diversos lugares do mundo. Listamos os 10 maiores apagões registrados pela empresa Downdetector desde 2012 e quem eles afetaram.

 12 horas sem Facebook

Em 13 de março de 2019, houve um apagão massivo que afetou o Facebook e os aplicativos que possui, WhatsApp e Instagram, que durou pelo menos 12 horas. O site Downdetector recebeu 7,5 milhões de relatórios de problemas. De acordo com a empresa, que coleta reclamações de usuários e relatórios quando programas ou aplicativos falham, foi o maior corte em termos de relatórios de bugs e também de tempo.

O Facebook disse que a falha foi causada por uma mudança em seu sistema e negou ter sido vítima de hackers. O corte foi sentido em Wall Street: no dia seguinte, as ações da empresa caíram 3%.

Além disso, ativistas a favor da separação da gigante das redes na época disseram que a decisão havia mostrado que a concentração da propriedade das plataformas era "perigosa" para os consumidores.

"Quanto mais integrada uma plataforma se torna, maior o risco e o alcance de falhas épicas como essa", disse Sarah Miller, vice-diretora do Open Markets Institute na época.

Outras falhas

Youtube saiu do ar em outubro de 2018
Foto: Dado Ruvic - 28.mar.2018/ Reuters

Em segundo lugar, mas muito atrás, foi seguido por uma interrupção em outubro de 2018 que afetou o YouTube e para a qual Downdetector recebeu 2,7 milhões de relatórios de problemas. Os usuários não conseguiram reproduzir o conteúdo por cerca de uma hora .

O terceiro e quarto lugares correspondem aos apagões de 2017: um do dia 6 de novembro afetou a rede social Snapchat e gerou 1,8 milhão de denúncias de problemas e o outro do dia 3 de maio, que cortou o serviço do WhatsApp, teve 1,7 milhão de denúncias.

Cortes que afetam os videogames

Além das redes sociais, no ranking dos maiores apagões desde 2012 até hoje, destacam-se algumas que afetaram dois videogames: Pokémon Go e Fortnite.

O quinto e o sexto maiores apagões nos últimos anos, em 16 e 17 de julho de 2016, respectivamente, afetaram o Pokémon Go. Em cada caso, houve 1,7 milhão de relatórios de problemas no Downdetector. Pokémon Go disse na época que tinha sido alvo de um ataque cibernético .

A sétima maior interrupção afetou o WhatsApp (1,2 milhão de relatórios de problemas em 3 de novembro de 2017) e a oitava novamente corresponde a um jogo. Este é o Fortnite, que teve um crash em 12 de abril de 2018, com um milhão de relatos de problemas.

Eles fecham a lista dos 10 maiores apagões, um que afetou o WhatsApp em 30 de novembro de 2017 e outro que afetou a rede PlayStation em 21 de outubro de 2016.

WhatsApp, o mais afetado

Foto: Pixabay

O WhatsApp, que pertence ao Facebook desde 2014 , é o aplicativo mais afetado no ranking: foi vítima em quatro dos dez maiores apagões. O serviço de mensagens tem mais de 2 bilhões de usuários em todo o mundo e foi o segundo aplicativo mais baixado em 2020 , segundo a Sensor Tower, à frente de outros que ganharam grande popularidade na pandemia como o Zoom (embora atrás do TikTok, que foi o mais popular).

O que causou o apagão massivo na terça-feira?
A indisponibilidade de terça-feira foi associada a uma falha generalizada na Fastly, um provedor de serviços em nuvem que ajuda a melhorar o tempo de carregamento do site e fornece outros serviços para sites, aplicativos e plataformas, incluindo uma grande rede de servidores. De acordo com um especialista, Fastly ficava inativo por cerca de 50 minutos durante o dia.

(Este texto foi traduzido do espanhol. Clique aqui para ler o original)